Virada digital

Na última semana nossa cidade sediou a primeira “Virada Digital” do país, realizada no Ribeirão Shopping. Tive oportunidade de participar, sexta-feira, da palestra do publicitário Edmar Bulla sobre o marketing na era digital, sensacional! Parabéns a agência Rebelion pela organização do evento.

BALANÇO

O Blog vem crescendo bastante, depois de passar alguns meses ausente em razão dos estudos, voltei a postar diariamente e, graças à Deus, conseguimos aumentar o número de visitantes. Atualmente recebemos em média 150 visitas por dia. Veja alguns outros números:

De janeiro/09 à 11/05/2010

263 – post

304 – comentários

34.545 – acessos

Brasil é o país que mais desmatou no mundo entre 2000 e 2005, diz pesquisa

Estudo mostra que planeta perdeu 1.011.000 km2 de florestas no período. Estado com piores índices de desmatamento no Brasil foi Mato Grosso.

A superfície florestal diminuiu 3,1% entre 2000 e 2005 no mundo, segundo estudo baseado em observações por satélites e publicado nesta segunda-feira (26) nos Estados Unidos. De acordo com estimativas da pesquisa, o Brasil foi o país que sofreu a maior redução de suas matas nesse período.

No total, entre 2000 e 2005, a perda foi de 1.011.000 km2 de, o que representa uma redução de 0,6% a cada ano.

TERCEIRO MUNDO SE FOR…

CAMINHONETE COM MACA NA CAÇAMBA É USADA COMO AMBULÂNCIA NO ACRE

Veículo precário é o único disponível no município de Manoel Urbano. Traslados para hospitais demoram porque estradas de terra estão ruins. 

Caçamba é usada para levar pacientes em emergências.

Edilene gerencia a unidade com um médico, três enfermeiros e 13 técnicos e reconhece a precariedade do carro usado para situações de emergência. Segundo ela, a ambulância oficial do município é uma S-10 também adaptada, mas o carro está parado há um mês porque precisa de manutenção e não há oficina especializada em Manoel Urbano. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município possuía 19 automóveis, 27 caminhonetes, 9 caminhões e 90 motocicletas em 2008.”Sei que já compraram a peça que falta, mas ela está em Rio Branco esperando ser enviada de barco ou avião. Mesmo assim, a S-10 foi remanejada de outro município e não é tão nova. Enquanto isso, usamos uma Toyota Bandeirante de 1999 que está muito desgastada. Mas é nosso único recurso”, conta Edilene. De acordo com Santos, Manoel Urbano tem orçamento anual de R$ 2,4 milhões para a área de saúde, mas não está nos planos da cidade comprar uma ambulância.   

Fonte:http://www.globoamazonia.com/Amazonia/0,,MUL1588168-16052,00-CAMINHONETE+COM+MACA+NA+CACAMBA+E+USADA+COMO+AMBULANCIA+NO+ACRE.html

Carro usado na cidade levaria mais de três horas para chegar à capital.

 Gente não tenho nem palavras para descrever minha revolta vendo imagens como está num país onde se paga tantos impostos como no Brasil.Só para constar, você sabe quanto o governo vai gastar com a Copa do Mundo de 2014? no mínimo R$ 20,1 bilhões! VERGONHOSO!  

OBAMA APROVA REFORMA DO SISTEMA DE SAÚDE NORTE AMERICANO

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou, neste domingo (21/3), a proposta de reforma do sistema de saúde americano. Em votação apertada, 219 votos favoráveis e 212 contrários, os democratas da Câmara ratificaram as mudanças mais significativas nas políticas de saúde em quatro décadas. O projeto, já aprovado pelo Senado, vai agora para a sanção do presidente Barack Obama. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

Os Estados Unidos não têm um sistema público de serviço de saúde. Segundo um levantamento feito pelo governo, 46,3 milhões de pessoas nos Estados Unidos não tinham cobertura em 2008. A maioria dos americanos, porém, precisa adquirir seu próprio plano de saúde, seja por meio de seus empregadores ou por conta própria.

A reforma, considerada prioridade da política doméstica de Obama, ampliará a cobertura para 32 milhões de norte-americanos, expandindo o plano de saúde do governo para os pobres, impondo novas taxas aos mais ricos e proibindo práticas de seguradoras como se recusar a atender pessoas com problemas médicos já existentes. A votação põe fim a um ano de batalhas políticas com os republicanos, que consumiu o Congresso dos EUA e abalou as taxas de aprovação do presidente.

O projeto de lei corresponde ao que o Senado já tinha aprovado em dezembro do ano passado. O presidente Barack Obama deve sancioná-lo ainda nesta semana.  Junto aos 178 congressistas republicanos na Câmara, um total de 34 democratas votou “não” à medida.

Em um discurso na Casa Branca, o presidente comemoroua aprovação do projeto. “Nesta noite, num momento em que especialistas diziam que não era mais possível, nos elevamos sobre o peso da nossa política”, disse o presidente.  “Essa lei não consertará tudo que afeta nosso sistema de saúde, mas certamente nos levará decisivamente na direção correta. É com isso que a mudança se parece”, disse.

Os democratas na Câmara festejaram quando o número de votos chegou a 216, total necessário para a aprovação, e gritaram: “Yes, we can” (“Sim, podemos”), slogan da campanha que elegeu Obama. Todos os republicanos se opuseram ao projeto e 34 democratas se juntaram a eles ao votarem contra a reforma.

Horas antes, os democratas tinham conseguido uma primeira vitória na votação sobre a reforma da saúde, ao aprovar um voto de procedimento por 224 votos a favor frente a 206 contra. Do lado de fora do Capitólio, manifestantes contra a reforma presentes ao longo do dia todo pediam para “jogar no lixo” a medida.

Os democratas asseguraram os 216 votos necessários para aprovar a reforma depois que o líder de um grupo de congressistas antiaborto que se opunham à medida, Bart Stupak, anunciou que tinha chegado a um acordo de última hora com a Casa Branca e os líderes de seu partido. Stupak reivindicava garantias de que a reforma não permitiria o uso de fundos federais para a prática de abortos.

Mediante o acordo anunciado nesta segunda-feira (22/3), o presidente Barack Obama emitirá uma ordem executiva que deixará claro que não se poderão usar esses fundos para as interrupções voluntárias da gravidez, salvo casos extremos.