Ordem do dia

Jornal A Cidade de 26.04.2012

CÂMARA ASSOMBRADA?

Um leitor do Blog me pediu para comentar o caso da funcionária fantasma exonerada a poucos dias pelo presidente da casa, o vereador Cícero Gomes.

De acordo com a imprensa uma funcionária teria sido contratada para trabalhar no setor de informática da Câmara Municipal de Ribeirão Preto, contudo a função em que ela esta registrada é exercida por outra pessoa.

Procurada pela imprensa ela disse que trabalha na Maternidade Sinhá Junqueira e faz “serviço extra” para o vereador Walter Gomes no final de semana.

Agora o Ministério Público está investigando o caso com a suspeita de crime de peculato (apropriação indevida dinheiro público).

Estes fatos acontecem pela falta de transparência na Câmara de Ribeirão, a população não sabe o que acontece lá dentro o que é um absurdo total!

Todos os funcionários da Câmara, concursados ou comissionados, deveriam ter seu nome, função, e horário de trabalho disponibilzados no site do legislativo, só assim atrocidades como esta não aconteceriam.

Outra medida importante é que os assessores dos vereadores fossem obrigados a bater ponto na Câmara, registrando assim seus horários de trabalho.

Jorge Daher

CÂMARA GASTA R$ 200 MIL POR ANO EM COMBUSTÍVEL

astra_sedanOs vinte vereadores de Ribeirão Preto são pessoas de sorte. Além do salário e da verba de gabinete, eles tem direito a desfrutar “para o bem da população” é claro, de gráfica, correio, veículo e combustível à vontade!

Talvez o fato dos gastos serem feitos sem controle nenhum, fez com que alguns representantes do povo abusassem um “pouquinho e gastassem quase 200 mil reais em 2008 apenas com combustível.

CÂMARA APROVA PREGÃO ELETRÔNICO E CPI DO ASFALTO

Na noite desta quinta-feira, 5, foi aprovado o projeto que institui o pregão eletrônico para o sistema de compras da Câmara Municipal de Ribeirão Preto. Também foi aprovada a instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar possíveis irregularidades no asfalto.

Apresentado pela primeira vez em 2005, de autoria da vereadora Silvana Resende (PSDB), o projeto que institui o pregão eletrônico foi aprovado na noite de hoje. O pregão eletrônico constitui em um sistema eletrônico de compras, na qual as empresas apresentam suas propostas de venda e concorrem com outras, ganhando assim a empresa que melhores condições oferecerem ao legislativo. O projeto visa economizar e dar mais transparências as compras realizadas no legislativo ribeirãopretano. O poder executivo já possui o sistema, fato que tem proporcionado quedas nos gastos com compras, gerando mais transparência ao governo.

Também foi votado e aprovado o requerimento de autoria do vereador Walter Gomes (PR) de instalação de CPI para investigar possíveis irregularidades no asfalto da cidade. O pedido de apuração quer verificar os termos assinados no contrato da empresa Spel com o poder executivo, que segundo o vereador Walter Gomes há indícios iniciais que o serviço prestado pela empresa não corresponde ao contrato estabelecido.

A Câmara não possui os valores contratados pela empresa e prefeitura, não podendo afirmar assim se há ou não fraudes, por isso a investigação do contrato e dos serviços prestados pela Spel. Walter Gomes visitou algumas ruas do bairro Ipiranga, Campos Elíseos e centro, nesta cidade, na qual, o recapeamento foi realizado pela empresa. O vereador encontrou possíveis irregularidades no asfalto que há poucos meses foi recapeado e já está cheio de buracos.

A primeira matéria a ser votada de autoria da Mesa da Câmara, foi aprovada, autorizando a celebração de acordo de cooperação técnica para utilização de sistema eletrônico de licitações entre esta casa de leis e o Banco do Brasil S.A.

*fonte: Repórter: Tatiana Junqueira – comunicação social da Câmara Municipal de Ribeirão Preto.

Câmara Municipal corta gastos

A Câmara Municipal de Ribeirão Preto cancelou 5 dos 20 contratos que possuia com empresas de serviços tercerizados. Tais serviços custavam R$ 600 mil reais por ano e agora passarão a ser realizados pelos próprios funcionários da Câmara.

Esta é uma ótima notícia, parece que a pressão da população e dos meios de comunicação vem tendo resultado. Agora só falta exigir dos ex-presidentes da Câmara, que assinaram estes contratos “dispensavéis”, a devolver o dinheiro desperdiçado.

Espero que esta maré de responsabilidade e moralidade continue presente na Câmara.

Aliás, será que não dá pra aproveitar e diminuir o número de cargos de confiança, assessores e verbas de gabinete que custam milhões por ano a população?

Pára de sonhar Jorge! rs